esportes

Pelo Nordestão, Bahia visita o CSA e pode se isolar na liderança

Patrick de Lucca estreou pelo Bahia no dia 13 de fevereiro deste ano, contra o Atlético-MG, no estádio Mineirão, em Belo Horizonte. Sua atuação foi tão boa que, desde então, o atleta não saiu mais do time titular – foram sete partidas, no total. Um ponto que auxiliou essa movimentação foi a venda de Gregore para o Inter Miami, dos Estados Unidos (EUA).

Sem dúvidas, um tiro certo do técnico Dado Cavalcanti. Patrick foi peça importante para evitar o rebaixamento do Esquadrão à Série B do Brasileirão e garantir vaga para a Copa Sul-Americana. Neste início de temporada, tem sido fundamental na evolução da equipe principal. Em quatro partidas, marcou dois gols e acertou 88% dos passes.

Nesta terça-feira, 23, às 21h30, no estádio Rei Pelé, em Alagoas, o volante certamente estará em campo. O Bahia enfrenta o CSA pela quinta rodada da fase de grupos da Copa do Nordeste. Caso vença, o Tricolor chegará a 10 pontos, e dará passo importante na busca pela classificação à próxima fase.

A competição teve duas edições no formato atual (2019 e 2020). Em ambas, em pelo menos um dos grupos algum time se classificou com pontuação menor ou igual a 10. Em 2019, foram CRB (9 pontos) e Vitória (7), pelo grupo A. No ano passado, o Sport se classificou com 10 pontos, também pelo grupo A.

É verdade também que o Bahia fez 12 pontos no ano retrasado, pelo grupo B, e terminou eliminado. O Sampaio Corrêa, então lanterna do grupo A, com apenas um ponto, foi o responsável pelo revés do Esquadrão, na última rodada da fase de grupos.

Histórico

Contra o CSA, o Tricolor baiano defende um retrospecto amplamente favorável. Os dois clubes se enfrentaram 28 vezes na história, por todas as competições. São 20 vitórias para o Bahia, cinco empates e apenas três triunfos para o Azulão. O Esquadrão marcou 60 gols nesses duelos, contra 24 do adversário.

Pela Copa do Nordeste, foram 13 partidas: oito vencidas pelo Tricolor, três empates e duas vencidas pelo CSA. A última derrota sofrida pelo Bahia foi justamente no estádio Rei Pelé, no Nordestão 2014, por 4 a 1, pela fase de grupos. Desde então, são quatro vitórias consecutivas para os baianos, sendo duas fora de casa: no Brasileirão 2019, por 2 a 1, e no Nordestão do ano passado, por 2 a 0.

Nesta edição do campeonato regional, o Azulão está invicto, com uma vitória e três empates, que rendem ao clube seis pontos conquistados e a quinta colocação.

Reposição ideal?

A saída de Gregore deixou uma vaga importante em aberto no clube. De um jogador que marcou história no Esquadrão, principalmente pela vontade e capacidade de marcação. Porém, Patrick de Lucca tem desempenhado bem o papel de substituir o ex-camisa 26.

Formado nas categorias de base do Palmeiras, o volante veio para o Bahia no ano passado, para o time sub-20. Se destacou na Copa do Brasil da categoria e Dado Cavalcanti deu uma chance ao garoto no time principal. Acertou.

“Quando eu pego a bola de trás, o time vem com qualidade. Me adapto muito rápido a essa posição. Já tinha feito em alguns clube, de entrar na linha, ajudar os zagueiros na marcação, na construção também. Então me adaptei. Dado viu que eu gostava, conversei com ele, e consegui fazer da melhor forma possível”, revelou o atleta.

Patrick foi autor do primeiro gol da vitória do Bahia sobre o Sport, por 4 a 0, no último sábado. Ele concedeu entrevista exclusiva ao A TARDE (veja ao lado).

*Sob supervisão do editor interino Rafael Tiago Nunes

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo