dados estatísticosPolicias

Três cidades da Bahia estão entre as mais violentas do Brasil

A Bahia continua a preocupar quando o assunto é violência. Um mapeamento elaborado pelo Insitituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e divulgado na última quarta (23) mostra três cidades baianas entre as quinze mais violentas do Brasil, numa lista encabeçada pela capital do Acre, Rio Branco. No Estado, a pior situação foi encontrada em Feira de Santana, a 100 km de Salvador, que ocupa o 5º lugar do ranking nacional. As vizinhas Camaçari e Simões Filho estão respectivamente em 9º e 13º lugar. A capital baiana ficou um pouco mais distante, em 28º lugar. O Atlas da Violência construído pelo Ipea levou em conta a média de homicídios dolosos (com intenção de matar) nos municípios entre 2018 e 2020, segundo os dados do Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública (Sinesp).

“É possível verificar que todas UFs apresentam ao menos um município entre os mais violentos. Rio de Janeiro, Bahia, Pernambuco se destacam como os mais contemplados”, enfatiza o Ipea em nota técnica. Das quinze cidades com pior desempenho, dez estão no Nordeste. As informações levantadas serão utilizadas em conjunto com o Ministério da Justiça e da Segurança Pública, para fomentar o Programa Nacional de Enfrentamento de Homicídios e Roubos, visando combater a violência urbana ao articular iniciativas de prevenção e repressão à criminalidade. “Ao dar um peso maior aos municípios com maiores taxas de homicídios, garante que o programa comece nos locais em que a situação é mais grave”, explicam os pesquisadores do Ipea Danilo Coelho, Alexandre Cunha, Henrique Alves e Erivelton Pires Guedes, autores do estudo.

Com a Bahia responsável por 13,5% das mortes violentas no Brasil, segundo o Monitor da Violência, a Secretaria da Segurança Pública da Bahia reconhece o desafio que se constitui o combate à violência no Estado. “Os órgãos que integram o Sistema Estadual de Segurança Pública têm de diversas maneiras buscado a modernização necessária para contribuir efetivamente na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, em articulação com a sociedade”. Entre os investimentos realizados pela pasta neste ano, envolvem a contratação de mais profissionais e melhoria nos equipamentos para os policiais, além des operações conjuntas nos bairros para combater o crime organizado. Outro recurso que tem ajudado a localizar os criminosos é o reconhecimento facial: nesta segunda (28) a Polícia conseguiu alcançar a marca de 211 suspeitos capturados através da ferramenta.

Por: Tribuna da Bahia

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo